• Discursos ideológicos e seus interesses


    Temos vivenciado nos últimos anos no Brasil o aparecimento e ampla difusão de uma série de ideologias extremamente descabidas, que são tomadas muitas vezes como verdadeiras, algumas delas buscando encontrar soluções simplistas para problemas amplos e complexos, outras delas com intuitos morais e políticos visivelmente declarados.

    Estamos sendo bombardeados por discursos como 'ideologia de gênero destrói a família tradicional', 'direitos humanos promovem a criminalidade', 'Paulo Freire destruiu a educação brasileira', 'a Terra é plana e estacionária', 'o marxismo cultural promoveu a ascensão da esquerda', 'há um kit gay entregue nas escolas para a criança aprender a ser gay', 'as vacinas causam autismo', dentre outros mitos de nosso tempo.

    Porém, a grande maioria das pessoas que aderem a esses discursos e saem repetindo essas ideias não possuem quase nenhum conhecimento básico, muito menos aprofundado, sobre história da família, direitos humanos, Paulo Freire, universo, Karl Marx, temas LGBT, funcionamento das vacinas, dentre outros. Ou seja, elas desconhecem os temas sobre os quais defendem posicionamentos, por aderirem a discursos prontas.

    Esses discursos são elaborados e difundidos por uma série de interesses, por trás deles há uma defesa da moralidade tradicional, de preceitos religiosos, de posturas conservadoras e das tendências políticas neoliberais. Entre os intuitos envolvidos nessas ideias há: a economia com gastos públicos, a diminuição da consciência do cidadão, a desvalorização e negação da ciência e dos saberes acadêmicos, o fim dos direitos para as classes menos abastadas e o desinteresse pelos bens do Estado.

    Podemos analisar cada um deles para perceber o quanto esses pensamentos têm tendenciado posicionamentos de pessoas influentes na sociedade, e o quanto eles servem a um grupo de pessoas específicas que detêm o poder, seja econômico, político ou religioso. No final das contas, são estes os que mais se beneficiam dessas ideologias.

    Como exemplo, podemos pensar sobre a ideia de que os direitos humanos promoveu o aumento da criminalidade.Se estudarmos a história dos direitos humanos eles surgem justamente após uma série de desrespeitos, abusos e agressões com seres humanos, podemos citar o Holocausto, os campos de concentração nazistas, os crimes de guerra, os experimentos e torturas com seres humanos, dentre tantas outras atrocidades na primeira metade do século XX.

    A Organização das Nações Unidas (ONU) foi criada em 1945, com a intenção de promover os direitos humanos, manter a segurança e a paz mundial. No Brasil, durante o governo militar, entre 1964 a 1985, os policiais operavam de forma repressiva, podendo matar, torturar e esconder cadáveres. Em 1988 foi promulgada a Constituição, incorporando os direitos e garantias fundamentais, protegendo os cidadãos de tortura, prisão sem julgamento ou morte como punição.

    Foi muito tempo para se alcançar esse desenvolvimento e promover leis que garantam os direitos huamnos, e esses direitos servem tanto para a população como também para os policiais, que não pode ser punido injustamente. Porém nos últimos tempos houve um aumento na criminalidade no Brasil, e há pessoas que associam esta ocorrência aos direitos humanos, mas deixam de observar o cenário mais amplo.

    Muitos dos países mais desenvolvidos possuem leis menos punitivas e mesmo assim contam com a menor incidência de crimes, pois possuem algumas características como o equilíbrio econômico, uma educação de qualidade, a proteção e o cuidado das pessoas com necessidades. O Brasil é um dos países com a maior desigualdade de renda, com escolas públicas em situação precária, com um governo que cada vez mais menos se importa com os necessitados, e todas essas são condições que promovem a criminalidade.

    "Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem."
    (Bertolt Brecht)

    Os problemas que o Brasil enfrenta são muito complexos, creio ser difícil compartimenta-los em teorias simplistas e prontas, que explicam de maneira didática suas causas, porém que são ineficazes na prática. Além disso, suas explicações não buscam as reais causas, mas as escontem, apresentando outras causas que não as reais, e isso é uma característica da ideologia.

    Repare que neste ataque aos direitos humanos, colocando estes como culpados pelo aumento da criminalidade, há um intuito de transmitir as pessoas a ideia de que os direitos humanos não são bons, e pelo contrário, são maus. Essa ideia é muito vantajosa para um governo que não quer ter gastos públicos com a população mais precária, para a polícia que não quer pedir licença para balear ou prender qualquer pessoa, para perseguições e mortes.

    Quando uma pessoa se coloca contra os direitos humanos, pensando que assim estará se protegendo, na verdade ela está fazendo o contrário. É justamente a defesa dos direitos humanos que garantirá a defesa da humanidade, caso contrário o que teremos será apenas barbárie. Por isso acredito ser importante rever e questionar essas ideias que muitos repetem sem avaliar.


    Por Bruno Carrasco, psicoterapeuta existencial. 
  • Textos Relacionados

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário